quarta-feira , 26 abril 2017

Dia da Luta Contra a Discriminação Racial tem eventos alusivos em Vitória

Não tão lembrado como o Dia da Consciência Negra (20 de novembro), esta terça-feira (21) também é um dia de extrema importância para o povo negro e sua cultura. É celebrado o Dia Internacional da Luta Contra a Discriminação Racial – uma pauta de extrema importância e que aos poucos tem ganhado mais visibilidade em meio as discussões sociais.

Numa procura por eventos culturais que destaquem o dia de hoje, percebe-se que poucos municípios promovem discussão, debates ou eventos que abordem a discriminação racial. Contudo, em Vitória ainda é possível encontrar alguns deles em pauta.

Um desses eventos é o independente Sarau da Barão, um sarau desenvolvido na rua Barão de Monjardim, no Centro de Vitória, que nesta terça-feira levanta a bandeira do Dia Internacional da Luta Contra a Discriminação Racial.

Com início a partir das 19h, o sarau promoverá uma noite de poesia em combate aos preconceito racial e em comemoração ao Dia Mundial da Poesia – também celebrado nesta terça (21). A noite contará com banca de publicações independentes e momento de poesia. As convidadas para as bancas de zines, livros e adesivos são Naira Valente, Amanda Brommonschenkel, Cora Made, Bia Bia e Yasmim Ferreira. Tudo é aberto ao público.

ÀWA NÌ – Nós por Nós no Mucane

Já o Museu do Negro (Mucane), um importante espaço da cultura negra em Vitória, preparou para esta terça a abertura da exposição ÀWA NÌ – Nós por Nós, a partir das 18h, com fotografias de 15 jovens negros atendidos pelo Núcleo Afro Odomodê, no mesmo município.

A parceria do projeto é com o Ponto Black – espaço para empreendedores negros e negras. Já as fotos foram feitas pelo fotógrafo Jove Fagundes, que retratou os jovens em 32 fotografias.

O ensaio destaca a imagem do negro munido de símbolos da cultura africana, desde turbantes, roupas, acessórios e até penteados ligados à cultura africana e afrobrasileira.

“Por esse ser um dia muito importante para a luta contra a descriminação racial, nós idealizamos o projeto de forma a destacar essa pauta e possibilitar o resgate da valorização da beleza negra. Somos um espaço para a diversidade e o projeto reflete isso”, detalha um pouco mais Jackson Ferreira, coordenador do Núcleo Afro Odomodê.

Os jovens retratados na fotos já frequentam o Odomodê e realizam atividades que de fato pautam o povo negro, sua protagonização e construção de identidade em meio à sociedade. Neste ensaio fotográfico Jackson contou que alguns ficaram um pouco receosos com a ideia das fotos no início, mas todos toparam e realizaram um trabalho belíssimo.

A exposição ficará no local até o dia 19 de abril , com visitações livres de segunda a sexta-feira, das 12h às 19h. E nessa noite de abertura haverá intervenção cultural, microfone aberto e a presença de todos os jovens retratados no ensaio.