quarta-feira , 26 abril 2017

Feriado: veja dicas de segurança para os pneus de seu veículo

Para quem vai aproveitar os feriados de abril (Páscoa, Tiradentes e 1º de Maio) é hora de começar a fazer as malas e checar os detalhes da viagem. Se você está pensando em pegar a estrada de carro, uma parte importantíssima dos preparativos é a verificação do veículo que será usado. Entre os itens que precisam passar por uma revisão estão os pneus. E para ajudar os motoristas nesta tarefa, a ANIP (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos) reuniu algumas informações importantes sobre o assunto.

Como saber se está na hora trocar os pneus

Para ajudar os motoristas a identificar quando está na hora de trocar o pneu, existe um indicador que fica na própria banda de rodagem, a parte do pneu que entra em contato com o solo. A banda é onde está o “desenho” do pneu, como os motoristas costumam chamar. O indicador tem um nome que poucos conhecem, mas é muito simples de achar. Tecnicamente, ele é chamado de “Tread Wear Indicator” (TWI). É uma saliência de borracha com altura de 1,6 mm que é colocada dentro do sulco do pneu. Quando o desgaste do pneu atinge esse indicador, significa que já está no limite de segurança e é hora de trocá-lo.

O que fazer antes de pegar a estrada

Em primeiro lugar, o motorista deve checar se o pneu não está próximo da marca de 1,6 mm, como explicado no item acima. Se estiver, a troca deve ser providenciada antes da viagem. Vale considerar que se for uma viagem longa e o motorista verificar que o pneu está quase chegando na marca de segurança, mas ainda daria para rodar um pouco mais, o mais seguro é trocar antes da viagem para evitar que o pneu fique careca no meio do caminho. O motorista também não deve se esquecer do estepe. Ele tem que estar em boas condições e pronto para o uso no caso de necessidade de troca.

Como calibrar

Os pneus devem ser calibrados semanalmente de acordo com a indicação do manual do veículo e indicações do fabricante. Antes de viajar, certifique-se sempre que a pressão dos pneus esteja regulada. Se for uma longa viagem, com o veículo a plena carga, isto é, com condutor mais 3 ou 4 passageiros e bagagens, consulte novamente o Manual, pois conforme o veículo, a pressão dos pneus deverá ser aumentada ou poderá sofrer alterações dependendo se os pneus são dianteiros ou traseiros. Lembre-se que veículo com a pressão errada tem seu desempenho comprometido. A baixa pressão é especialmente nociva, pois torna a direção pesada, aumenta o consumo de combustível e o desgaste dos pneus. A pressão dever regulada com os pneus frios.

Balanceamento e alinhamento

O controle do balanceamento dos pneus e o alinhamento das rodas do veículo devem ser realizados a cada 10 mil quilômetros rodados, quando surgirem vibrações, na troca ou no conserto do pneu, quando o veículo sofrer impactos na suspensão, quando apresentar desgastes irregulares, quando forem substituídos componentes da suspensão ou quando o veículo estiver puxando para um lado.

Segurança na chuva

Chuva e pneu careca formam uma combinação perigosa. A aquaplanagem ocorre, por exemplo, quando a quantidade de água retida na área de contato entre pneu e pista supera a capacidade de escoamento dos sulcos da banda de rodagem do pneu. Forma-se então uma película de água entre o pneu e a pista e ocorre a perda do contato. Se os sulcos já estão gastos e o pneu está careca, a ocorrência de aquaplanagem é quase certa. Quanto menor a profundidade dos sulcos da banda de rodagem, maior a probabilidade de aquaplanagem em caso de fortes chuvas e em pistas de estradas com má ou irregular drenagem das águas pluviais. Com os pneus carecas o risco é gravíssimo. Portanto, é importante estar sempre com os pneus em ordem. E em caso de fortes chuvas, seja como for, por uma questão de segurança é sempre recomendável reduzir a velocidade.

Escolhendo o pneu adequado

Pneus de automóveis são desenvolvidos para fazer parte das características do automóvel, seja ele um veículo pequeno e econômico ou um esportivo de alto desempenho. Diferentes veículos, portanto, necessitam de pneus de concepções absolutamente diferentes e coerentes com as exigências de cada um. Para saber o pneu adequado para um veículo, o proprietário deve consultar o manual do veículo, onde o fabricante indica o tamanho ou os tamanhos de pneus adequados e seus índices de carga e velocidade.
Sobre a ANIP e Reciclanip

A ANIP – Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (www.anip.org.br), fundada em 1960, representa a indústria de pneus e câmaras de ar instalada no Brasil, que compreende onze empresas (Bridgestone, Continental, Dunlop, Goodyear, Levorin, Maggion, Michelin, Pirelli, Rinaldi, Titan e Tortuga) com 20 fábricas instaladas nos Estados de São Paulo (nove), Rio de Janeiro (duas), Rio Grande do Sul (duas), Bahia (três), Paraná (três) e Amazonas (uma). Ao todo, responde por 27 mil empregos diretos e 120 mil indiretos. O setor é apoiado por uma rede com mais de 5 mil pontos de venda no Brasil com 40 mil empregos.

Em 2007, a ANIP criou a Reciclanip (www.reciclanip.org.br), voltada à coleta e destinação de pneus inservíveis no país. Originária do Programa Nacional de Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis, de 1999, a Reciclanip é considerada uma das principais iniciativas na área de pós-consumo da indústria brasileira, por reunir 1008 pontos de coleta no Brasil. Desde 1999, quando começou a coleta pelos fabricantes, 3 milhões de toneladas de pneus inservíveis foram coletados e destinados adequadamente, o equivalente a 600 milhões de pneus de passeio. O trabalho de logística reversa da Reciclanip já recebeu vários reconhecimentos, como o Prêmio E, concedido pela UNESCO em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro e o Instituto E, o Prêmio FIESP como exemplo de ação de sustentabilidade, e o Prêmio Opinião Pública (POP) dos Conselhos de Relações Públicas pelo trabalho de conscientização da população sobre o recolhimento e destinação adequada dos pneus inservíveis.

Assessoria de imprensa ANIP/Reciclanip

Andreoli MSLGROUP

Por  Renato Fugulin.