terça-feira , 22 agosto 2017

Vigilante é condenado a 20 anos de prisão por abusar da filha de 5 anos em Vila Velha

Justiça condenou o suspeito em dezembro do ano passado, mas o mandado de prisão só chegou à DPCA na semana passada. Ele foi preso na última sexta-feira

Vigilante foi preso na última sexta-feira Foto: TV Vitória

Um vigilante patrimonial de 51 anos foi condenado a 20 anos de prisão por abusar da própria filha, que na época do crime tinha apenas 5 anos. Os abusos, segundo a acusação, ocorreram em 2015 na casa do suspeito, em Vila Velha.A Justiça condenou o vigilante pelo crime em dezembro do ano passado, mas o mandado de prisão contra o suspeito só chegou à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) na semana passada. Ele foi preso na última sexta-feira (14) e apresentado na tarde desta terça (18).

De acordo com o titular da DPCA, delegado Lorenzo Pazolini, responsável pelas investigações, o vigilante e a mãe da vítima são separados e a criança costumava visitar o pai com frequência. A mãe desconfiou dos abusos em 2015, depois que a filha fez um comentário sobre as partes íntimas do pai.

Desconfiada, a mãe procurou a delegacia, que iniciou as investigações. “A mãe da vitima, a partir desse momento, acendeu uma luz amarela e ficou bastante desconfiada. Ela levou essa vítima até o psicólogo, foi feito o atendimento e a criança, que vinha sofrendo esse abuso há mais de um ano, com intenso sofrimento físico e psicológico, se abriu e resolveu contar esse drama que ela vinha passando”, disse Lorenzo Pazolini.

Em depoimento à polícia, o pai confessou o crime e deu detalhes sobre os abusos cometidos contra a própria filha. Ele, no entanto, garantiu estar arrependido. “Nunca aconteceu isso comigo. Foi um caso esporádico. Foi tipo um impulso. Eu me arrependo muito”, alegou.

“Ele alega, na versão dele, que realmente teria se arrependido do crime, mas que ele o cometeu e que isso seria fruto de um lapso na vida dele. Ele disse que é um sujeito de bem, mas que, infelizmente, teria cometido esse crime. Na verdade foram vários crimes, porque isso veio se reiterando ao longo do tempo. Foram repetidas vezes, em desfavor da própria filha”, ressaltou Pazolini.

Ainda de acordo com o delegado, atualmente a criança recebe atendimento psicológico para superar o trauma do crime. Já o suspeito foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana.

Folha Vitória.