sábado , 21 outubro 2017

Doença Renal Crônica também afeta crianças

Especialista fala sobre a necessidade do diagnóstico precoce, tratamento e alerta para o controle da obesidade, principal causa da doença

De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), a doença renal crônica acomete milhares de crianças em todo o Brasil. Por isso, neste Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro, a Fundação Pró-Rim, referência nacional em tratamento e transplantes renais, alerta para os perigos da doença que pode afetar crianças de todas as idades.

O nefropediatra da Pró-Rim, Dr. Arthur Wendhausen, explica existem fatores de risco peculiares da insuficiência renal infantil, como síndromes genéticas, malformações do trato urinário, infecções urinárias, antecedente familiar de doenças renais, hipertensão arterial, diabetes e glomerulonefrite, tipo mais comum de nefrite. Mas, um dos fatores que mais causam a doença é a obesidade.

De acordo com dados do IBGE e Ministério da Saúde, uma a cada três crianças brasileiras, entre cinco e nove anos, está acima do peso. Causada pela falta de atividade física e alimentação rica em gordura, açúcares e alimentos industrializados, a obesidade infantil atinge 16,6% dos meninos e 11,8% das meninas do país.

Dr. Arthur Wendhausen explica que “está muito claro que hoje a ingestão acentuada de sódio, a baixa ingestão de água e a falta de atividade física regular têm influenciado no metabolismo das crianças, causando o surgimento de alterações da função renal e problemas cardiovasculares.  Salgadinhos e alimentos industrializados estão entre os principais vilões”.

Responsabilidade dos pais: De acordo com o nefropediatra, as preferências alimentares das crianças, assim como atividades físicas, são influenciadas diretamente pelos hábitos dos pais, sendo necessário que eles adotem um estilo de vida saudável, pensando na saúde dos filhos.

“Hábitos familiares como não tomar café da manhã, jantar alimentos de grande quantidade calórica, ingerir uma variedade cada vez maior de alimentos industrializados, consumir líquidos leves em excesso, mas calóricos e não praticar atividades físicas são prejudiciais e indutores de obesidade”, alerta Wendhausen.

Importância da prevenção: O médico alerta aos pais sobre a importância de hábitos de prevenção. A Doença Renal Crônica ocorre devido à perda progressiva e irreversível das funções renais. Quando isso ocorre, o tratamento de diálise ou transplante é necessário. É silenciosa, e, na maioria das vezes, não apresenta sintomas. “Normalmente, ela só vai se manifestar depois que estiver em estágio bem avançado”, observa.

Por isso, é fundamental estimular a criança a ingerir água constantemente, mesmo sem estar com sede, controlar a obesidade e diminuir consideravelmente o consumo de sal e de alimentos industrializados.

Wendhausen recomenda ainda a prática regular de atividades físicas desde a infância e atenção redobrada quanto ao uso de anabolizantes, álcool, tabagismo entre outras drogas, na adolescência. Além disso, é fundamental orientar os filhos sobre automedicação, especialmente com analgésicos e anti-inflamatórios que são nocivos aos rins.

Sinais do corpo: Em contrapartida, quando a doença já se instalou, o corpo dá alguns sinais aos que os pais devem estar atentos como inchaço, vômitos frequentes, infecções urinárias, atraso no crescimento, problemas ósseos e anemias de difícil cura.

Por Visual Press Ass. de Com.