sexta-feira , 15 dezembro 2017

Produtores rurais capixabas terão condições diferenciadas para quitar dividas

Vitimados pela extensa estiagem que castigou a região Nordeste, norte de Minas e Espírito Santo, os produtores rurais em toda a área de atuação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) poderão contar com condições diferenciadas para quitar suas dívidas. 

 Membro da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA), o deputado federal Evair de Melo disse que a luta é diária para criar um ambiente para que os produtores possam contar com uma política de renegociação justa. “A agropecuária gera renda e empregos e contribui muito para o Brasil nesse momento de retomada da economia”, destacou o parlamentar.

 Membros da FPA estiveram reunidos com o vice-presidente do Banco do Brasil, Tarcísio Hübner, e com o diretor de Agronegócio, Marco Túlio Moraes, para alinhar a renegociação do passivo rural da região.

 O sistema simplificado apresentado pelo BB, durante a reunião, inclui operações até R$ 200 mil, contratadas a partir de 2012. Acima de R$ 100 mil e inferiores a R$ 200 mil, o produtor deverá apresentar comprovante de incapacidade de pagamento junto à instituição financeira. 

 Para custeio pecuário e fruticultura, o prazo será de 7 anos, com 3 anos de carência e 4 parcelas anuais, com início em 2020. Para todos os outros, serão 6 anos de prazo, 2 anos de carência e 4 parcelas anuais para iniciar em 2019.

 Segundo Tarcísio Hübner, haverá dispensa de apresentação de laudos técnicos para comprovação das perdas e decretação de emergência ou estado de calamidade pública pelos prefeitos. “Além disso, não haverá restrição para novas contratações. 

 A instituição disponibilizou mais de R$ 100 bilhões em crédito para a atividade da agropecuária neste ano, dos quais R$ 91 bilhões para atender os produtores rurais. Procuramos construir um modelo adequado que pudesse atender os pequenos de maneira simplificada”, destacou.

 

Fonte Assessoria do Dep.Federal Evair de Melo (PV-ES)