sexta-feira , 15 dezembro 2017

Amizades & Trabalho

Muitos profissionais perdem conceito numa corporação, e até o próprio emprego, por privilegiar ou “proteger” amigos, quer seja escondendo serviços errados ou até mesmo fazendo por eles o serviço deles. Não seja vítima, fuja dessa armadilha. Como diz o dizer, “amigos, amigos; negócios à parte”…

Amizades e trabalho não se misturam no ambiente corporativo. São duas coisas heterogêneas que ao se misturarem conflitam-se e uma pode prejudicar a outra. Quando o lado dos sentimentos se sobrepõe ao profissional o resultado final é um trabalho medíocre – e até mesmo prejudicial ao próprio profissional. E isso não faz parte dos planos, afinal degrada a qualidade dos itens/marcas do portfólio da empresa.

Se você se inserir nesse caso, há um dilema a optar: ou a amizade ou a empresa. É única a sua decisão – mesmo que você seja dono da empresa. Divida e separe as coisas bem definidamente. Amizades são bens que se “guardam no lado esquerdo do peito”, mas sob o logotipo da empresa – o qual está acima, emblema principal. Amizades? No lado externo dos seus portões, pois intramuros o aspecto profissional “fala mais alto” e deve ser seguido e respeitado em prol de trabalhos, produtos em alto nível e a própria subsistência da empresa.

Amizades geram privilégios; privilégios geram inveja e ciúmes dos demais; conclusão: ruptura dos laços do bom-convívio entre os profissionais, quebra do ritmo no processo produtivo, diminuição da eficiência, aumento de acidentes, “mortes” de peças e produtos, atrasos nos pedidos, prejuízos…

Exemplos  para reflexão:

-Você assumiu um novo posto de trabalho? Bem, a partir de agora mude o seu jeito de ser. Você tem seu estilo nato, sua “marca registrada”. Mantenha-os, seja original. Conheça seus novos parceiros, seja amigo de todos e que todos sejam seus amigos. Agora você precisa deles, e a recíproca é verdadeira. Porém, jamais misture amizade & trabalho, eis que durante o horário de expediente seu contrato é com a empresa. E, com os amigos, após o sinal de encerramento da jornada, além dos muros da empresa.

Aquele “bom e grande amigo” que lhe prestou favores inestimáveis no particular, ao qual você “deve obrigações”, reserve-se de “quitar essa dívida moral” com assuntos (dentro ou fora da empresa) que envolvam o nome da corporação que vocês trabalham juntos. Quando esse tipo de “compromisso” é levado das ruas para dentro dos setores da empresa (e acontecem com constância), ao final acabam por prejudicar ambas as partes. Lembre-se sempre: amizade & trabalho são “água e óleo”, imiscíveis!

Prof. Inácio Dantas

Do livro “Lições para o Autoaperfeiçoamento Profissional”