sábado , 20 janeiro 2018

13º salário vai injetar cerca de 1 bilhão na economia do ES

O comércio espera parte do 13º salário para recuperar as vendas do terceiro trimestre

Os comerciantes estão preparados para as vendas de final de ano. A expectativa é que o pagamento da segunda parcela do 13º salário aumente o potencial de consumo das famílias neste período. Neste ano, o salário extra injetará cerca de R$ 1 bilhão na economia do Espírito Santo, segundo análise da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Espírito Santo (Fecomércio-ES). Os cálculos consideraram os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ambos do Ministério do Trabalho. 

Além das compras de Natal, o valor costuma ser usado para pagamento de débitos e tributos ou ainda para começar o novo ano com alguma reserva financeira. De olho na fatia destinada aos presentes, o comércio espera a segunda parte do 13º salário para recuperar as vendas do terceiro trimestre, com o intuito de aquecer a economia capixaba, que vem buscando a retomada de crescimento. 

De acordo com o presidente da Fecomércio-ES, José Lino Sepulcri, a expectativa é que as pessoas utilizem parte do 13º salário para quitar dívidas, especialmente as atrasadas e isso terá efeito na diminuição da inadimplência. “Por outro lado, também, a quitação de dívidas poderá abrir espaço para as compras, especialmente por conta das festas de final de ano, cujo apelo emocional das comemorações certamente terá impacto positivo sobre as vendas”. 

Outras fontes

A Fecomércio-ES possui duas pesquisas que sugerem que as pessoas poderão utilizar esse dinheiro para quitar as dívidas. Uma delas é a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) de novembro/17 que mostrou que 79% das famílias de Vitória estão endividadas e mais de 60% estão com contas ou dívidas em atraso, ou seja, inadimplentes. 

Soma-se a isso, o fato de a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) da capital estar muito baixa, com um índice marcando 40,3 pontos em novembro/17, o menor da série histórica iniciada em 2010. Isso significa dizer que as famílias estão com menor disposição ao consumo quando comparado ao mesmo período do ano passado.

13º no Brasil

Segundo as estimativas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), estima-se que deverão ser injetados na economia brasileira mais de R$ 200 bilhões, com o pagamento do 13º salário até o mês de dezembro de 2017. Este montante representa aproximadamente 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e será pago aos trabalhadores do mercado formal, inclusive os empregados domésticos; aos beneficiários da Previdência Social e aposentados e beneficiários de pensão da União, dos estados e municípios. Serão cerca de 83,3 milhões de brasileiros beneficiados com um rendimento adicional, em média, de R$ 2.251