sábado , 24 fevereiro 2018

Famílias ficam desalojadas após cheia do Rio Doce, em Linhares, ES

Seis famílias ficaram desalojadas por causa da cheia do Rio Doce, em Linhares, Norte do Espírito Santo. O rio ultrapassou a cota de inundação na madrugada desta quarta-feira (7).

A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) – Serviço Geológico do Brasil, que monitora a Bacia do Rio Doce, informou às 7h que o nível do rio estava em 360 centímetros. A cota de inundação é de 345 cm.

A Defesa Civil de Linhares e os bombeiros disseram que estão monitorando as áreas de risco. Segundo o coordenador da Defesa Civil, a estrutura para abrigar as famílias está pronta.

Enquanto isso, quem ficou sem teto acampou debaixo de uma construção. “É complicado, porque eu moro embaixo. Minha casa é bem baixa mesmo, mais baixa que a de todo mundo aqui. Então, sou a primeira desabrigada”, falou uma moradora.

Mesmo com o nível alto da água, alguns moradores não quiseram sair de casa. “A gente vai dar um jeito, vamos ver até onde essa água vai chegar. Se complicar demais para a gente passar, vamos tomar uma providência, mas, por enquanto, não”, disse a dona de casa Jaqueline Valério.

O Olaria é o único bairro ribeirinho de Linhares que fica alagado com a cheia do Rio Doce. Segundo a medição da Agência Nacional de Águas (ANA), o rio tem subido, em média, cinco centímetros por hora.

A ANA disse ainda que a previsão é que o Rio Doce continue subindo em cidades mineiras, como Governador Valadares. Por causa disso, a tendência, em Linhares, é a mesma, segundo a Defesa Civil.

“Como a gente sabe que tem muita água em Minas para vir, a gente trabalha em torno de 27 horas para essa água chegar aqui. Nesse período, a gente toma todas as providências para não ser pego de surpresa”, destacou o representante da Defesa Civil de Linhares Antônio Carlos dos Santos.