segunda-feira , 20 novembro 2017

Caso Thayná: suspeito de sequestro é preso no Rio Grande do Sul

De acordo com informações da Policia do estado do sul do país, Ademir Lúcio foi preso na noite deste domingo (12)

O acusado de sequestrar e matar a jovem Thayná Andressa de Jesus, de 12 anos, foi preso na noite deste domingo (12). Ademir Lúcio de Araújo Ferreira, de 55 anos, foi encontrado sozinho em uma praça pública, localizada no Centro de Porto Alegre.

De acordo com a Polícia Civil do Rio Grande do Sul, Ademir será encaminhado ainda nesta segunda-feira (13) para Vitória. O suspeito foi levado para a 2ª delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento da Polícia Civil, localizada em Porto Alegre.

–> Policiais civis do Estado participaram da prisão do suspeito de sequestro da menina Thayná

O secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, também confirmou a prisão do suspeito em uma rede social. De acordo com o secretário, policiais civis do Estado participaram da ação no Rio Grande do Sul, auxiliando as buscas para captura de Ademir.

A mãe de Thayná, Clemilda Aparecida, foi informada na manhã desta segunda-feira (13) da prisão do suspeito.

DNA

Nesta segunda-feira (13), a mãe da jovem deve ir ao Departamento Médico Legal (DML) para colher amostras de DNA e olhar um vestido que estava junto com uma ossada encontrada na última sexta-feira (10), em Viana.

O exame de DNA deve confirmar se essa ossada é da menina Thayná. O resultado deve sair em 30 dias. A estudante está desaparecida há 28 dias. De acordo com o delegado José Lopes, o padastro da menina reconheceu a roupa encontrada pela polícia na última sexta-feira. Mesmo assim, a mãe de Thayná vai hoje ao DML para fazer o reconhecimento e colher amostras de DNA.

Ossada

Após a ossada de uma criança ser encontrada nas proximidades de uma lagoa, localizada na região conhecida como Parque Industrial, em Viana, a perícia da Polícia Civil vai analisar se pertence à menina Thayná Andressa de Jesus, de 12 anos. Policiais civis e homens do corpo de bombeiros estavam no local desde as 6 horas desta sexta-feira (10) fazendo buscas para encontrar o corpo.

“Recebemos a informação que o homem [suspeito de sequestrar Thayná] usava essa área para cometer os crimes dele. Era o local onde ele levava as crianças para serem abusadas”, afirmou o delegado José Lopes, responsável pelo caso.

A ossada foi encontrada em uma região de brejo e estava espalhada. O delegado disse também que é provável que o corpo tenha sido queimado, pois houve registro de fogo na região. “Fizemos um pente fino no local e batemos todas as possibilidades. Recolhemos o material, mas os peritos que vão dizer se é da menina Thayná”, disse.

Ainda segundo o delegado, se o corpo for mesmo da jovem, ela teria sido morta logo quando desapareceu. Ele informou também que o inquérito segue em sigilo e a investigação ainda não terminou. Além disso, o suspeito do desaparecimento da menina ainda não foi localizado. “Estamos trabalhando para tentar prender esse monstro”, destacou Lopes.

Desaparecimento

Thayná está desaparecida desde o dia 17 de outubro, quando voltava do supermercado e entrou no carro conduzido por um homem. O suspeito do sequestro foi identificado como Ademir Lúcio Ferreira Araújo. O veículo foi encontrado em Guarapari, na tarde de segunda-feira (06). Ele estava com um vendedor de queijos, que disse tê-lo comprado por R$ 5 mil em Cobilândia, próximo à feira do bairro, em Vila Velha.

Câmeras

Câmeras de segurança de um supermercado mostraram o momento em que a menina entrou no local sozinha. As imagens, no entanto, não teriam flagrado a saída da estudante. Dias depois a polícia divulgou a foto do suspeito e as imagens de videomonitoramento que registraram quando a adolescente entrou em um carro.

De acordo com a polícia, Ademir tem passagem pela justiça por homicídio, roubo e estelionato. O suspeito estava preso e saiu em liberdade em dezembro do ano passado. O delegado José Lopes, responsável pelo caso, contou ainda que ele é suspeito também de envolvimento em um crime de abuso sexual.

Protestos

Revoltados com a demora para encontrar a menina, familiares e amigos da jovem realizaram protestos na Grande Vitória. O primeiro aconteceu no último dia 24 e eles interditaram um trecho da BR-101, em Viana. O último aconteceu na segunda-feira (6) no Centro de Vitória, onde pediram mais rapidez na solução do caso.

Além disso, alguns deles, junto com a mãe de Thayná, participaram de uma reunião, no Palácio Anchieta, com o vice-governador do Estado e com os secretários de Justiça e de Direitos Humanos. O encontro durou quase uma hora e aconteceu a portas fechadas.

Folha Vitória.